Vivenciando o Autismo comemora 3 anos a fala sobre autismo através da ótica neuropediátrica

 

 O autista precisa de amor, carinho, atenção, deve ser incluído no meio social e estimulado a acreditar no seu potencial. A lição marcou o bate papo sobre o Transtorno do Espectro Autista conduzido pelo Neuropediatra João Ricardo Hass Massena. A atividade realizada na última sexta(06/03) marca retorno das atividades do programa Vivenciando o Autismo e a comemoração dos seus três anos de vida. Mais de 80 pessoas participaram do evento, que reuniu beneficiários IBCM, terapeutas, professores e alunos de diversas áreas da saúde.

 O Pediatra, que recentemente concluiu o programa de Residência em Neuropediatria trouxe um panorama geral sobre o Transtorno do Espectro Autista. O médico falou sobre a situação epidemiológica, histórico do Autismo, desde a primeira vez que o transtorno foi mencionado até a atualidade, passando pelo diagnóstico e tratamento. Conforme trouxe Hass Massena, “atualmente o Autismo é um transtorno complexo, heterogêneo e multifatorial”.

  João Ricardo acrescentou ainda que de acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico em Transtornos Mentais 5 – DSM-5, o paciente com Transtorno do Espectro Autista apresenta déficits sociais e comunicacionais, comportamentos repetitivos e interesses restritos. “Geralmente os pais ou professores percebem os primeiros sinais, mas é o diagnóstico clínico que vai confirmar o transtorno, para isso o médico precisa da boa e velha medicina: observar”, salientou.

COMO RECONHECER UMA CRIANÇA QUE PODE TER AUTISMO

 O diagnóstico raramente é feito antes dos dois anos. Mesmo assim, é bom ficar atento a sinais, ainda quando bebês: Não fixam os olhos nos da mãe, não percebem modificações afetivas, são muito tranquilos ou agitados, choro estereotipado. Cerca de 70 % dos pacientes com Autismo possuem algum transtorno mental e 40% têm dois ou mais transtornos mentais associados. Também há associação com síndromes genéticas: Ex.: Síndrome do X Frágil, Down, Neurofibromatose, Esclerose Tuberosa, entre outros.

 Para João Ricardo, o tratamento é feito: com medicamento (quando necessário) e terapêutico (equipe formada por diversos profissionais: Pediatra, Neurologista, Fonoaudiólogo, Psicólogo, Psicopedagogo, Terapeuta Ocupacional). Professores e familiares podem e devem ajudar no tratamento formando uma equipe interdisciplinar.

 O primeiro encontro de 2020 marca a comemoração de mais um ano de vida do programa. O Coordenador Geral, Eduardo Nascimento abriu as atividades agradecendo a equipe envolvida, os profissionais que compartilharam conhecimento durante os encontros e aos pais pela confiança. As coordenadoras técnicas do programa, a Assistente Social, Maria de Fátima e a Fonoaudióloga, Anelise Rodrigues, agradeceram aos pais e profissionais envolvidos. O Presidente do Plano IBCM, Daniel Lopes dos Santos, evidenciou o trabalho dos coordenadores e equipe envolvida.

VIVENCIANDO O AUTISMO

 O Programa visa proporcionar um ambiente para que pais e familiares de pacientes com o Transtorno do Espectro Autista, beneficiários do Plano de Saúde IBCM, profissionais, professores e estudantes, possam compartilhar experiências, aprender com diversos profissionais e assim ajudar no desenvolvimento dessas crianças. Encontros gratuitos, uma vez por mês. Sem necessidade de inscrição.

 Coordenação Geral: Eduardo Nascimento de Oliveira. Coordenação Técnica: Maria de Fátima Luna (Assistente Social) e Anelise Rodrigues (Fonoaudióloga)

 Maiores informações: servsocial2@ibcm.org.br ou (51) 3230.5512 (de segunda à sexta-feira, das 08h às 12hs.

 

Design by Pimenta do Reino • Developed by ThreeContent